Assessores de Comunicação dos sindicatos ligados à Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação (Febrac) e à Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores (Fenavist) se reuniram, no dia 26 de junho, em Brasília, para discutir assuntos de interesse dos dois segmentos, trocar experiência, definir metas e estabelecer uma sintonia nas ações desenvolvidas.

Um dos destaques do 3º Encontro dos Assessores de Comunicação de Asseio e Segurança Privada foi a discussão em torno das redes sociais e fake news. O Assessor de Comunicação da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Marcos Nascimento, mostrou a evolução das redes sociais, apresentou formas de utilização que podem maximizar o relacionamento com o público e falou um pouco sobre o futuro.

Em relações as fake News, que tem ganhado cada vez mais importância, inclusive sendo motivo de debate nos Estados Unidos, já que são apontadas como fator preponderante para a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais, Nascimento mostrou que os “boatos” sempre existiram, mas que com o avanço das redes sociais o problema se tornou bem mais complicado de se resolver. O conteúdo é disseminado muito mais rapidamente.

Um dos principais responsáveis pela reprodução de notícias falsas são os grupos no whatsaap da família.

O Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação (Gpopai) da USP fez a seleção de cerca de 500 páginas do Facebook e mais 100 sites de notícias para acompanhamento diário das postagens e da repercussão de cada uma. A conclusão foi que 12 milhões de pessoas difundem notícias falsas na internet. Levando em consideração que cada um tenha 200 seguidores, as fake news podem chegar a toda a população brasileira.

Já um Estudo do Instituto de Tecnologia de Masachussetts (MIT) mostrou que as notícias falsas têm 70% a mais de chances de viralizarem. Cada postagem verdadeira atinge, em média, mil pessoas, enquanto as postagens falsas mais populares atingem de mil a 100 mil pessoas. De acordo com o estudo, quando a notícia falsa é ligada à política, o alastramento é três vezes mais rápido.

Marketing Associativo
A reforma trabalhista, além de apresentar uma série de mudanças nas relações entre patrões e empregados, também trouxe modificações que afetam diretamente as entidades de classe. Desta forma, o trabalho de comunicação junto às empresas representadas e à imprensa se torna ainda mais importante, uma vez que a divulgação das ações, serviços e informações dos setores é fundamental para o fortalecimento das entidades.

Sobre o assunto, a Assessora de Comunicação do Seac-MG, Sonia Zuim, falou sobre as ações desenvolvidas pela entidade que proporcionaram uma maior participação dos associados. Segundo ela, o fundamental é que “os representados se sintam parte do setor”.

Ainda durante o encontro, a Importância e se ter porta-vozes bem preparados foi debatido. A importância do media training foi o tema da apresentação do jornalista Expedito Filho. Com mais de 30 anos de carreira, ele trabalhou nos principais veículos de comunicação do País, como Veja, Época, IstoÉ, IstoÉ Dinheiro, Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil e rádio CBN. Atualmente, atua na Blue e Mango Agência de Notícias e Comunicação Digital.
Fonte: Fenavist

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar