Segundo presidente da Febrac, várias doenças podem se esconder em nossas mãos. Veja também como lavar as mãos de forma eficiente

Brasília, 4 de maio de 2016 – Em 2015, uma grande epidemia de gripe H1N1 assustou o Brasil, mas, passado o grande surto, o assunto pareceu esquecido. Até que chegassem as últimas semanas e a doença voltasse a aparecer nos jornais. Do início do ano até o mês passado, já tinham sido registadas 230 mortes relacionadas ao vírus, provando que a doença não é desafio vencido. Porém, pequenas precauções podem diminuir muito as chances de infecção e o Dia Mundial da Higienização das Mãos, comemorado neste 5 de maio, nos lembra disso.

“As mãos são significantes vias de transmissão de doenças, uma vez que entram em contato com objetos que podem estar infectados, como o dinheiro, corrimãos, e superfícies de lugares públicos, banheiros e até ônibus e metrôs, que muitas vezes não são limpos corretamente ou com a frequência desejada”, explica Edgar Segato Neto, presidente da Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação (Febrac). Ele diz que, devido a esses fatores, a mão é uma das partes do corpo mais cheias de micro-organismos como vírus, bactérias, protozoários e fungos.

Segato lembra que, uma vez infectadas as mãos, é muito fácil que a pessoa contraia a doença. “Basta coçar os olhos, os lábios ou um machucado para que a doença se instale. E uma vez que usamos as mãos para preparar, carregar e até consumir nossos alimentos, uma hora essa infecção pode chegar até a boca”, explica o presidente da Febrac, ressaltando que esses fatores tornam a higienização das mãos de extrema importância.

Como lavar as mãos?

Lavar as mãos de forma totalmente efetiva exige um cuidado especial. A Anvisa recomenda os seguintes procedimentos:
1.    Abra a torneira e molhe as mãos, evitando encostar na pia. Aplique na palma da mão quantidade suficiente de sabonete líquido para cobrir todas as superfícies das mãos;
2.    Ensaboe as palmas das mãos, friccionando-as entre si e entrelaçando os dedos;
3.    Esfregue os espaços entre os dedos, a parte de trás dos dedos de uma mão com a palma da mão oposta. Esfregue o polegar direito, com o auxílio da palma da mão esquerda. Friccione as pontas dos dedos e unhas da mão contra a palma da mão oposta, fechada em concha;
4.    Esfregue o punho esquerdo, com o auxílio da palma da mão direita (e vice-versa);
5.    Enxágue as mãos, retirando os resíduos de sabonete. Evite contato direto das mãos ensaboadas com a torneira.

O álcool em gel 70% também pode ser utilizado para higienização das mãos, seguindo os mesmos procedimentos, porém nem sempre é um bom substituto. Quando a mão estiver visivelmente suja ou após atividades de alta contaminação, como retirar o lixo ou usar o banheiro, deve-se lavar as mãos com água e sabão.
Quando lavar as mãos?

As mãos devem ser lavadas sempre antes do manuseio de alimentos e da realização de refeições, antes de tratar uma ferida, depois do contato com pessoas doentes, depois de usar o banheiro, espirrar, tossir, ou ter contato com qualquer fluído corporal, depois de manusear ou entrar em contato com lixo, e claro, sempre que estiver visivelmente suja.

“É importante lavar as mãos após ter contato com superfícies de lugares públicos, imediatamente ou ao chegar em casa”, acrescenta o presidente da Febrac, que conclui ressaltando a importância de se efetuar a limpeza cuidadosa de ambientes de trabalho e domésticos: “A cuidadosa limpeza de locais onde há circulação de pessoas e superfícies onde há muito contato também são extremamente importantes no combate de doenças transmissíveis”.


ASSESSORIA DE IMPRENSA – FEBRAC
Proativa Comunicação
Tel.: (61) 3242-9058
Contatos: Kadydja Albuquerque (61 8277-8382) / Flávio Resende (61 9216-9188)
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
Twitter: ProativaC