Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa


A Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação (Febrac), com intuito de levantar os impactos econômicos dos primeiros dias da Pandemia no setor de serviços, buscou informações em 12 estados da Federação, com representação nas regiões Norte, Nordeste, Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Baseando-se nos dados coletados, o setor de prestação de serviços perdeu quase 55 mil postos de trabalho dentre afastamento por contágio da doença, afastamento preventivo, férias coletivas e desligamentos. Nesse sentido, destaca-se o estado da Bahia com ocorrência de cerca de 27,5 mil ou 55% dos afastados.

Já com relação ao faturamento do setor, houve uma redução média de 20,6% em todo o país, no qual a região Sudeste, com elevado percentual, chega a 32,3% de perda.

Foram também obtidas informações quanto ao percentual de inadimplência no setor de serviços. Em virtude da Pandemia do Covid-19, as inadimplências nos contratos foram em média de 15,7% em todo país. Nesse quesito, o destaque é a região Norte que atingiu o percentual de 35%.

Uma nova pesquisa ocorrerá no final de maio, para parametrizar as variações dos números.

Pesquisa Impacto econômico no Setor de Serviços devido ao COVID-19 - Primeiros 15 dias


Fonte: Assessoria de Comunicação da Febrac


Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O juiz Renato Barros Fagundes, titular da 23ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, determinou ao Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação do Estado do Rio Grande do Sul (Sindasseio) e à Cooperativa de Trabalho, Produção e Comercialização dos Trabalhadores das Vilas de Porto Alegre (Cootravipa) o cumprimento de diversas medidas relacionadas à segurança e à saúde dos empregados, relativas à prevenção contra o coronavírus. A decisão, proferida em caráter liminar, atende pedido da Central Única dos Trabalhadores no Rio Grande do Sul (CUT-RS).


Ao ajuizar o processo, a central sindical alegou que as atividades desenvolvidas pelas empresas associadas ao Sindasseio não se enquadram no grupo de serviços essenciais, com funcionamento previsto por decretos dos governos estadual e municipais. No caso da Cootravipa, que realiza serviços como os de coleta de lixo em Porto Alegre, que podem ser considerados essenciais, a CUT argumentou que não vinham sendo obedecidas as regras sanitárias previstas pelas autoridades, de modo a proteger os trabalhadores contra o contágio pelo coronavírus.

Como exemplo, a Central citou que os garis não recebem nenhum equipamento de proteção individual (EPI) diferenciado, como álcool gel, luvas ou máscaras. Além disso, o Poder Público não implantou regras de distanciamento social, como a prevenção de aglomerações e a proibição de ingresso em locais de risco.

Diante desse contexto, a CUT solicitou que as normas previstas nos decretos das autoridades sanitárias dos governos do Estado e dos municípios sejam cumpridas por todas as empresas abrangidas pelo Sindasseio, em todo o território do Rio Grande do Sul, inclusive pela Cootravipa, em Porto Alegre.

No julgamento do pedido, o juiz Renato Barros Fagundes elencou, como fundamentos para o deferimento do pleito, os próprios decretos estaduais e municipais que restringiram o funcionamento de atividades não essenciais e estabeleceram regras de prevenção para o funcionamento das demais atividades, além das leis trabalhistas, da Constituição Federal e de diversos tratados internacionais que o Brasil ratificou ao longo do tempo.

Assim, o magistrado fixou as seguintes medidas, que devem ser cumpridas pelo Sindasseio e pela Cootravipa no período de vigência dos decretos de emergência pública promulgados pelo governo do Estado e pelos municípios:

– Afastar do trabalho, sem prejuízo da remuneração, os empregados que se encontrem com sintomas da Covid-19, que podem sugerir infecção pelo SARS-Cov-2 (novo coronavírus), observada a legislação previdenciária se tal prazo superar 15 dias.

– Afastar do trabalho, também sem prejuízo da remuneração, os empregados que se encontram no grupo de risco de contágio mais imediato e que têm maior propensão a transmitir o novo coronavírus, quais sejam: pessoas com mais de 60 anos, pessoas portadoras de doenças cardiovasculares ou no aparelho respiratório, hipertensos ou diabéticos.

– Manter ventilados os locais de trabalho e higienizados todos os equipamentos de uso individual (EPIs) pelos trabalhadores, substituindo-os sempre que necessário e de acordo com as normas técnicas aplicáveis, além do maquinário, como aparelhos de telefone, relógio de ponto, mesas, teclados, materiais para limpeza etc.

– Seguir rigorosamente todas as determinações das autoridades sanitárias a respeito da Covid-19.

– Destinar diariamente, aos empregados que exerçam atividades internas, locais para lavagem adequada das mãos com água e sabão; para todos os empregados que exerçam atividades internas ou externas, disponibilizar álcool em gel 70%, bem como uniformes higienizados e limpos diariamente, inclusive calçados, máscaras e luvas, quando necessário.

– Orientar todos os empregados sobre a forma correta de utilização dos EPIs e produtos acima citados, sobre como lavar corretamente as mãos e sobre a inviabilidade de compartilhamento de itens de uso pessoal.

– Abster-se de enviar seus empregados para locais em que verificado alto risco de contágio pelas autoridades sanitárias.

Para os casos de descumprimento, o magistrado fixou multa de R$ 5 mil a cada ocorrência. Os recursos devem ser revertidos à Secretaria Estadual da Saúde. (Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-RS).
Fonte: Revista Consultor Jurídico


Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Assessoria Econômica
Presta assessoria econômica ao setor, elaborando, analisando e reformulando planilhas de custos administrativos, formação de preços, piso salarial, encargos sociais, entre outras. Desenvolve também um trabalho de pesquisa e elaboração de análises econômicas e financeiras do setor.

Assessoria Jurídica
Orienta a FEBRAC e seus sindicatos filiados em questões jurídicas de cunho nacional, produzindo pareceres e análises sobre regulamentações, com o intuito de apontar implicações e antecipar o posicionamento do setor, além de esclarecer dúvidas e direcionar os sindicatos. A Consultoria Jurídica está sempre presente às reuniões da Federação para esclarecer questionamentos dos associados. A formulação de argumentações legais, redação de documentos oficiais e acompanhamento de audiências com órgãos federais, na defesa dos interesses legítimos do setor, também fazem parte do trabalho deste departamento.

Assessoria Parlamentar
Identifica e acompanha decisões que são analisadas pelo Congresso Nacional e Legislativos Estaduais, em parceria com sindicatos locais. Trabalha também para aumentar o relacionamento do setor com parlamentares, levando informações sobre a dinâmica e as características do segmento.

Assessoria de Comunicação
Responsável pelo planejamento, execução, coordenação e avaliação das ações de comunicação social, visando reforçar o conhecimento e o entendimento da sociedade sobre a importância do setor. Procura manter o correto posicionamento da imagem institucional da Federação junto aos públicos interno (sindicatos, empresas) e externo (governos, legislativos, imprensa e outras entidades sindicais). Para disseminar informações de interesse do setor, a assessoria desenvolve um trabalho de aproximação entre a mídia e a instituição, além de produzir publicações como os boletins diários, releases e artigos.


Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Todos os direitos reservados a FEBRAC