Febrac apresentará demandas do setor ao governo para reduzir “Custo Brasil”

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 


O presidente da Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação (Febrac), Renato Fortuna Campos, se reuniu ontem (28 de agosto), por videoconferência, com o CEO do Projeto Custo Brasil, Jorge Luiz de Lima, para falar, dentre outros assuntos, sobre os impactos da Reforma Tributária sobre as empresas prestadoras de serviços e, principalmente, como se darão os trabalhos da Subsecretaria Ambiente de Negócios e Competitividade, ligada à Secretaria de Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec).

A reunião contou com a participação também do presidente do Seac-PE, Agostinho Gomes; o presidente do Seac-SC, Avelino Lombardi; o Coordenador do Comitê de Crise da Covid-19, Fábio Sandrini Baptista; o presidente da Cebrasse, João Diniz; a superintendente Cristiane Oliveira; e a Consultora Jurídica Lirian Cavalhero.

Jorge Lima apresentou o programa criado pelo projeto que almeja reduzir 1,5 trilhão de reais do Custo Brasil por meio da produtividade, competitividade e eficiência. Ele explicou que o primeiro passo será o mapeamento dos problemas e demandas de cada setor e, por isso, pediu que a Febrac apresente propostas/projetos relevantes para o setor de serviços que tenham impacto para o Custo Brasil.

“Ninguém entende mais do setor produtivo do que vocês, e este é o primeiro pilar do nosso projeto. Vamos unir o conhecimento de vocês à equipe competente que temos e criar um sistema para acompanhar todas as demandas”, explica Lima.

Como a equipe que vai se dedicar ao projeto é pequena, o CEO diz que será de responsabilidade de cada setor entregar os projetos com o máximo de detalhes técnicos possíveis para subsidiar sua viabilidade. “Queremos falar com todas as classes e trazer uma discussão muito rica para o governo. Vamos ter uma visão macro do Brasil. Ideias antagônicas vão surgir entre os setores e teremos de decidir qual caminho seguir com uma visão técnica, do que é melhor para o país, dos custos que serão reduzidos e dos empregos que serão gerados”, aponta.

Os projetos apresentados à Subsecretaria serão inseridos em uma plataforma, por onde cada representante conseguirá ver o andamento da sua demanda e onde e porque está parada, se for o caso. A ideia é que seja possível procurar representantes no Legislativo ou no Executivo para cobrar os motivos pelos quais os projetos estão parados e buscar soluções para isso.


Fonte: Assessoria de Comunicação da Febrac


Todos os direitos reservados a FEBRAC